março 24, 2009

ter ou não ter


Eu podia estar aqui com aquelas merdas de que nada é tudo e tudo nada é. Mas sinceramente acho que nada está para aí virado, e eu, no meio de nada, nada me torno. Consequentemente é-me admissível dizer que tenho uma grande lata. As razões, as razões para ter tal lata advêm das circunstâncias em que me encontro. Podiam ser más, não são! São até bastante boas. Mesmo as que me eram mais apertadas são agora já largas. Uma rapariga há-de ficar triste com isto? Pois é visto que não, não há-de ficar triste.
Para além disto, posso dizer (e digo com orgulho, muito!) que a Matemática vai continuar como está: bem. Sim as minhas prioridades actuais são a escola e a escola, tal como nunca deixaram de ser, talvez o que aconteceu foi esquecer-me por uns instantes que a prioridade nem sempre se mostra o mais importante; há prioridades que se subordinam a outras prioridades de força maior. Mas nisto não sou única entendedora, há sempre alguém insatisfeito com o nosso estilo de vida.
Posto isto, eu sei que tenho uma valente lata. ;D
Amanhã terá início a semana cultural (o que é um forte indício de final de período e será um grande indício de comprovação - esta não é para todas as cabeças, só mesmo para as mais corrompidas)

3 comentários:

baby piggy disse...

Ao menos tens lata honesta, oh oooooooh ohhhhhhhhhhhhhhh!
A conversa de ontem abusou, tava mesmo nos meus dias.

AnaLuísa disse...

por vezes é preciso lata, muita lata, para as pessoas nos levarem a sério :x

gostei do texto sobre as pseudopessoas (conheço algumas) e concordo com o pensamento de Séneca ..

vou seguir :) *

Joana disse...

eu nem consigo definir as minhas prioridades. talvez os amigos, mas os amigos nem todos sao eternos. a escola, quando me apetece estudar. a adolescência é tramada.